Ser wesleyano hoje e suas implicações para a educação cristã

Loading...

domingo, 4 de outubro de 2009

Um dragão em minha garagem


Na postagem anterior citei um blog denominado "O Dragão da Garagem". Ele é inspirado em um trecho de um livro de Carl Sagan, "O mundo assombrado pelos demônios". O trecho se chama "Um dragão em minha garagem" e, de uma forma bem humorada, mas muito inteligente, demonstra os argumentos principais dos criadores de falácias. Abaixo o texto de Sagan:

Um dragão que cospe fogo pelas ventas vive na minha garagem. Suponhamos que eu lhe faça seriamente essa afirmação. Com certeza você iria querer verificá-la por si mesmo. São inumeráveis as histórias de dragões no decorrer dos séculos, mas não há evidências reais. Que oportunidade! – Mostre-me – você diz. Eu o levo até minha garagem. Você olha para dentro e vê uma escada de mão, latas de tinta vazias, um velho triciclo, mas nada de dragão. – Onde está o dragão? – você pergunta. – Oh, está ali – respondo, acenando vagamente. Esqueci de lhe dizer que é um dragão invisível. Você propõe espalhar farinha no chão da garagem parar tornar visíveis as pegadas do dragão. – Boa idéia – digo eu –, mas esse dragão flutua no ar. Então você quer usar um sensor infravermelho para detectar o fogo invisível. – Boa idéia, mas o fogo invisível é também desprovido de calor. Você quer borrifar o dragão com tinta para torná-lo visível. – Boa idéia, só que é um dragão incorpóreo e a tinta não vai aderir. E assim por diante. Eu me oponho a todo teste físico que você propõe com uma explicação especial de por que não vai funcionar. Ora, qual é a diferença entre um dragão invisível, incorpóreo, flutuante, que cospe fogo atérmico, e um dragão inexistente? Se não há como refutar a minha afirmação, se nenhum experimento concebido vale contra ela, o que significa dizer que o meu dragão existe? A sua incapacidade de invalidar a minha hipótese não é absolutamente a mesma coisa que provar a veracidade dela. Alegações que não podem ser testadas, afirmações imunes a refutações não possuem caráter verídico, seja qual for o valor que possam ter por nos inspirar ou estimular nosso sentimento de admiração. O que estou pedindo a você é tão-somente que, em face da ausência de evidências, acredite na minha palavra. A única coisa que você realmente descobriu com a minha insistência de que há um dragão na minha garagem é que algo estranho está se passando na minha mente. Você se perguntaria, já que nenhum teste físico se aplica, o que me fez acreditar nisso. A possibilidade de que foi sonho ou alucinação passaria certamente pela sua cabeça. Mas, nesse caso, por que eu levo a história tão a sério? Talvez eu precise de ajuda. Pelo menos, talvez eu tenha subestimado seriamente a falibilidade humana. Apesar de nenhum dos testes ter funcionado, imagine que você queira ser escrupulosamente liberal. Você não rejeita de imediato a noção de que há um dragão que cospe fogo na minha garagem. Apenas deixa idéia cozinhando em banho-maria. As evidências presentes são fortemente contrárias a ela, mas, se surgirem novos dados, você está pronto a examiná-los para ver se são convincentes. Decerto não é correto de minha parte ficar ofendido por não acreditarem em mim; ou criticá-lo por ser chato ou sem imaginação – só porque você apresentou o veredicto escocês de “não comprovado” (Carl Sagan está se referindo ao filósofo cético escocês David Hume). Imagine que as coisas tivessem acontecido de outra maneira. O dragão é invisível, certo, mas aparecem pegadas na farinha enquanto você observa. O seu detector infravermelho lê dados fora da escala. A tinta borrifada revela um espinhaço dentado oscilando à sua frente. Por mais cético que você pudesse ser a respeito da existência dos dragões – ainda mais dragões invisíveis –, teria de reconhecer que existe alguma coisa no ar, e que de forma preliminar ela é compatível com um dragão invisível que cospe fogo pelas ventas. Agora outro roteiro: vamos supor que não seja apenas eu. Vamos supor que vários conhecidos seus, inclusive pessoas que você tem certeza de que não se conheceram, lhe dizem que há dragões nas suas garagens – mas, em todos os casos, a evidência é enlouquecedoramente impalpável. Todos nós admitimos nossa perturbação quando ficamos tomados por uma convicção tão estranha e tão mal sustentada pela evidência física. Nenhum de nós é lunático. Especulamos sobre o que isso significaria, caso dragões invisíveis estivessem realmente se escondendo nas garagens em todo o mundo, e nós, humanos, só agora estivéssemos percebendo. Eu gostaria de que não fosse verdade, acredite. Mas talvez todos aqueles mitos europeus e chineses sobre dragões não fossem mitos afinal... Motivo de satisfação, algumas pegadas compatíveis com o tamanho de um dragão são agora noticiadas. Mas elas nunca surgem quando um cético está observando. Outra explicação se apresenta: sob exame cuidadoso, parece claro que podem ter sido simuladas. Outro crente nos dragões aparece com um dedo queimado e atribui a queimadura a uma rara manifestação física do sopro ardente do animal. Porém, mais uma vez, existem outras possibilidades. Sabemos que há várias maneiras de queimar os dedos além do sopro de dragões invisíveis. Essa “evidência” – por mais importante que seja para os defensores da existência do dragão – está longe de ser convincente. De novo, a única abordagem sensata é rejeitar em princípio a hipótese do dragão, manter-se receptivo a futuros dados físicos e perguntar-se qual poderia ser a razão para tantas pessoas aparentemente normais e sensatas partilharem a mesma desilusão estranha.

Carl Edward Sagan (Nova Iorque, 9 de novembro de 1934 — Seattle, 20 de dezembro de 1996) foi um cientista e astrônomo dos Estados Unidos da América. Em 1960, obteve o título de doutor pela Universidade de Chicago. Dedicou-se à pesquisa e à divulgação da astronomia, como também ao estudo da chamada exobiologia. Foi um excelente divulgador da ciência (considerado por muitos o maior divulgador da ciência que o mundo já conheceu).
Com sua formação multidisciplinar e talento para a expressão escrita, Carl Sagan legou-nos um formidável acervo de obras, dentre as quais figuram clássicos como Cosmos (que foi transformado em uma premiada série de televisão, acompanhada por mais de meio bilhão de pessoas em todo o mundo), Os Dragões do Éden (pelo qual Carl Sagan recebeu o prêmio Pulitzer de Literatura), O Romance da Ciência, Pálido Ponto Azul e O Mundo Assombrado pelos Demônios: a Ciência como uma vela no escuro.
Sem medir esforços para divulgar a ciência, Carl Sagan escreveu ainda o romance de ficção científica Contato (visando atingir o grande público interessado pelo gênero), obra que foi inclusive levada para as telas de cinema, posterior a sua morte. A última obra do autor (Bilhões e Bilhões) foi publicada postumamente por sua esposa e colaboradora Ann Druyan e consiste, fundamentalmente, numa compilação de artigos inéditos escritos por Sagan. Recentemente foi publicado no Brasil mais um livro sobre Sagan Variedades da experiência Científica - Uma visão pessoal da busca por Deus, que é uma coletânea de suas palestras sobre teologia natural.

sábado, 3 de outubro de 2009

Pulhas virtuais: boatos, lendas, falsos vírus e meias verdades


Eu sei que devo ainda escrever mais algumas desmistificações sobre pulhas que "andam" pela internet. Mas, para não responder a tudo o que me incomoda e tentar evitar a "burrite", abaixo copio um texto de um site denominado www.quatrocantos.com.br. Conheço esse "antídoto" faz tempo e sempre o recomendo quando alguém sente que a mensagem que recebeu pode não ser verdadeira. Além dele, também sugiro visitar o site Projeto Ockham e o blog O Dragão da Garagem. Apesar da carga cética e cientificista, eles valem a pena como forma de se prevenir do besteirol que invade a internet e a cabeça de muitos. Os sites e o blog você encontra aí ao lado em "Sites que recomendo" e em Blogs que recomendo". O texto é de:

Gevilacio Aguiar Coêlho de Moura



O mundo das lendas e pulhas virtuais da Internet é vasto e curioso. Existem as lendas que se estabelecem em páginas da web e as que vivem a percorrer as caixas de mensagens dos usuários. Em alguns casos, uma coisa leva à outra.

Às vezes, uma pessoa mais criativa e espirituosa cria uma brincadeira, uma piada, põe isso num página da web e logo a história se espalha como verdade e passa a provocar a ira dos defensores disso e daquilo.

É o caso dos bonsai kitten que provocou onda de protestos em todo o mundo e motivou a criação de abaixo-assinados inconseqüentes.

Em outubro de 2002, sugiram as mensagens dizendo que a música Aserehe (ou Ragatanga), um sucesso do grupo Rouge, é um "mantra que cultua as forças satânicas". A música é uma adaptação brasileira de Aserejé, grande sucesso (em 2003) do grupo espanhol Las Ketchup.

O texto da mensagem de alerta sobre a música Aserehe (ou Aserejé) é ridículo, não encontra nenhuma sustentação mas chegou a impressionar muita gente.

Há os casos de piadas envolvendo um termo científico como o monóxido de dihidrogênio, substância também conhecida como ácido hidroxílico e que o vulgo insiste em chamar de água. Essa terrível substância, de efeitos devastadores sobre o meio ambiente, estaria em vias de produzir uma hecatombe mundial e extinguir a vida sobre a face da terra.

O caso da água, perdão, do monóxido de dihidrogênio é típico da meia-verdade, e meia-mentira, muito comuns nessas lendas. Os riscos e perigos mencionados na mensagem são reais: erosão, queimaduras na pele, oxidação de metais.

O fato de a mensagem conter um termo complicado, uma palavra desconhecida ou mesmo inventada garante a ela o passaporte para as caixas de mensagens de meio mundo. A prolifermilonema, suposta substância alucinógena, deixa resíduos nas narinas de suas vítimas e, segundo o doutor Fulano de Tal, pode provocar a morte. Nenhum dois existe: nem a substância nem o doutor.

O Fenofinol Ameído e o Voliteral, substâncias inexistentes, causariam doenças nos consumidores de refrigerante.



Verdade ou mentira?

Diante dessa mistura de mentiras, meias-verdades (e meias-mentiras) e coisas reais às vezes fica difícil saber o que é falso e o que é verdadeiro. A profusão de mensagens de falsos alertas é tal que às vezes uma coisa verídica é tomada como suspeita ou falsa e vem a pergunta:

Afinal de contas, a Fenilpropanolamina foi proibida? Essa tal "carta social" existe? E as fotos de Rachel Whitear são verdadeiras? Veja o quadro Verdades.

O governo quer mesmo acabar com o décimo terceiro e com a licença maternidade? Estão querendo aumentar a área de desmatamento da Amazônia? Veja o quadro Meias-verdades/meias-mentiras.



Falsos vírus

Desmascarar essas lendas e pulhas virtuais é um pouco mais fácil quando a mensagem anuncia um falso vírus, pois ele é sempre destruidor: o mais terrível e devastador de todos. Apaga o HD ou o reparte em pedaços, "come" as informações e destrói o computador, destrói a zero os setores do disco rígido e jamais se descobriu o antivírus adequado. Além disso, o tal vírus apareceu "ontem" ou "na semana passada" e a AOL, a Microsoft, a INTEL e a CNN já confirmaram a sua periculosidade.

Mesmo sendo falsos, esses vírus inexistentes provocam riscos e prejuízos. O custo de perder tempo dando atenção a lixo e de apagar e ter de repor os arquivos jdbgmgr.exe e sulfnbk.exe, por exemplo. E o risco de confundir falsos vírus com vírus verdadeiros, deixar-se contaminar e aí os prejuízos podem ser elevados.

Os comentários contidos nestas páginas destinam-se a prevenir maiores prejuízos e também a tentar despertar uma consciência crítica para se evitar a dar crédito, de imediato, a tudo o que aparece na Internet.

Nesta versão, além das análises dos falsos vírus, das lendas e dos boatos estão presentes mais duas categorias: verdades e meias-verdades/meias-mentiras.

Um aviso aos que têm o hábito de passar adiante mensagens desse tipo: a credibilidade de quem passa tais mensagens adiante fica comprometida.

Em uma lista de negócios que eu assino, vi a seguinte mensagem destinada a um dos participantes que havia postado mensagem contendo um desses boatos: "Não foi você que enviou aquela história sobre ... e também aquela outra sobre a ...?"



Verdades

Impressoras tagarelas. Códigos dissimulados impressos nas páginas coloridas informam data e hora da impressão e mais o número de série da impressora laser ou jato de tinta.

O Projeto de Lei 5476/2001 existe e propõe o cancelamento da assinatura do telefone fixo.

Poupança fraterna. Deputado apresenta projeto estabelecendo limite máximo de consumo para o brasileiro.

Mensagem subliminar no comercial da cerveja Schin. Parece ter sido uma brincaderia, algo como os 'ovos de páscoa' que os programadores de computador costumam fazer.

Não prenda o telefone no ombro com a cabeça. Psiquiatra francês passou uma hora ao telefone prendendo o fone entre o ombro e a cabeça. Sofreu derrame, perdeu, temporariamente a visão do olho esquerdo e teve problemas de fala.

Jacqueline Saburido. Na cidade de Austin, Texas - EUA, motorista bêbado provoca acidente e desfigura uma jovem venezuelana.

Condoleezza Rice era o nome de um petroleiro (oil tanker) assim denominado pela Chevron Corporation em homenagem à fiel funcionária nomeada, por George W. Bush, Conselheira de Segurança Nacional dos EUA.

Obrigado, presidente Bush, por Paulo Coelho. No dia 17 de março de 2003, o prestigiado escritor brasileiro Paulo Coelho publicou, no jornal Le Monde, artigo criticando a invasão do Iraque que viria a ocorrer dois dias depois.

Nigerianos condenados à morte por apedrejamento: a Sharia (ou Charia), lei islâmica, condena adúlteros à morte por apedrejamento e os ladrões têm as mãos amputadas.

theanimalrescuesite.com

thehungersite.com

thebreastcancersite.com

therainforestsite.com

thechildhealthsite.com


Todos os sites acima pertencem a um mesmo grupo, são hospedados em um mesmo provedor e são da cidade de Seattle - WA, Estados Unidos.

Cada vez que o visitante clica no botão clikc daily, click every day ou semelhante, surge página com mensagens publicitárias.

O site destina 75% da renda da publicidade vendida para a finalidade indicada: apoio a crianças carentes, resgate de animais, defesa das florestas tropicais, doação de alimentos ou exames gratuitos de mamografia.

Mas se você quer fazer uma doação, não deixe de ir até os saites:

Beba Leite
Click Fome
Clique Semi-árido
Clickárvore

São brasileiros e não lhe custa nada uma visita.

O vírus Bugbear existe e é perigoso.

A borra de café é uma solução caseira no combate ao Aedes aegypti e à dengue. Mas veja a dosagem.

A proibição da fenilpropanolamina (e não fenilpropalamina como diz a mensagem em circulação). Resolução da ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária de 8 de novembro de 2000 e publicada no DOU de 10/11/2000 proíbe "... a fabricação, a distribuição, a comercialização/ venda e a dispensação dos medicamentos que contenham em sua fórmula, isolada ou associada, a substância FENILPROPANOLAMINA e seus sais.

As fotos de Rachel Whitear, vítima de overdose de heroína. Os sites da BBC, The Observer e DrugScope apresentam o caso como verdadeiro.

Aquisição de medicamentos importados. A Fundação Rubem Berta - FRB, em parceria com a Varig, recebe encomendas para compra de medicamentos não fabricados no Brasil . Ao visitar a página da FRB, clique na imagem Serviço Humanitário de Medicamentos e você vai encontrar as Premissas e Procedimentos do serviço. Com a falência da Varig, as coisa mudaram.

A carta social é um Serviço Postal prestado pela ECT com o objetivo de facilitar o acesso aos serviços postais das camadas menos favorecidas de nossa população.

O golpe dos nigerianos, a fraude da antecipação de pagamentos. Além da Nigéria outros países são mencionados: Afeganistão, África do Sul, Benin, Congo, Costa do Marfim, Ghana, Serra Leoa e Zimbábue.

As loterias Global Crossingsa da África do Sul e a Simunye South African Lottery e a holandesa EUROLITE BV são variantes desse golpe.


Meias verdades/meias mentiras

A doença de Paget é um tipo (raro) de câncer de mama. O caso relatado é duvidoso.

O artigo O mundo para todos ou A Internacionalização do Mundo é de autoria do senador Cristovam Buarque e foi publicado em dois jornais brasileiros. O texto não foi publicado em jornais estrangeiros.

Ninhada de seis cães golden retriever. Em algum país da Europa, alguém mandou uma mensagem oferecendo seis filhotes. Isso foi em 2001 e os animais já encontraram novos donos.

Aquecendo água no forno de microondas: existe o risco de acidentes, mas não há registro da ocorrência relatada na mensagem dizendo que "Há cinco dias atrás meu filho de 26 anos decidiu beber uma xícara de café instantâneo...."

A Lei 3.359 proíbe a cobrança de depósito para internamento hospitalar na rede privada apenas na cidade do Rio de janeiro, pois é uma Lei Municipal. Projeto de Lei do Senado nº 95 de 2001 (PLS 95 2001) possui teor equivalente e, se aprovado, terá validade em todo o país.

Resolução Normativa Nº 44, de 24/08/2003 da Agência Nacional de Saúde determina:

Art. 1º Fica vedada, em qualquer situação, a exigência, por parte dos prestadores de serviços contratados, credenciados, cooperados ou referenciados das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde e Seguradoras Especializadas em Saúde, de caução, depósito de qualquer natureza, nota promissória ou quaisquer outros títulos de crédito, no ato ou anteriormente à prestação do serviço.

Mensagem menciona mais um dos muitos casos de nepotismo na adminstração pública brasileira, mas o dentista-segurança do TJDF não é um dos assassinos do índio Pataxó Galdino Jesus dos Santos.

Easy Date ou "boa noite, Cinderela": o golpe existe, mas não há registro do caso relatado na mensagem.

Acidentes com celulares durante o abastecimento de veículos: existe a possibilidade, mas a Shell não divulgou o tal alerta nem há registros dos acidentes mencionados.

Em novembro de 2007, ocorreu acidente com caminhão tanque provocado por celular.

Os riscos de assaltos e seqüestros existem em todo o Brasil e não somente nas proximidades da marginal em São Paulo. Não há registro do fato tal como descrito na mensagem, mas isso não significa que não se deve ter muito cuidado ao trafegar pelas ruas e estradas brasileiras.

O Congresso Nacional vai votar projeto propondo a redução de cinqüenta por cento da floresta amazônica. O Projeto de Lei PL-2398/1996 de deputado do PTB de Roraima propõe que o desmatamento seja de setenta e cinco por cento. Muito mais do que o indignado alerta da mensagem.

Dentro do seu programa de flexibilização das relações trabalhistas, a Presidência da República, nos tempos de FHC, enviou ao Congresso Nacional o Projeto de Lei 5.483/2001 que altera o Artigo 618 da CLT - Consolidação das Leis do Trabalho. Esse Projeto de Lei foi aprovado pela Câmara dos Deputados no dia 04 de dezembro de 2001 e enviado ao Senado Federal em 06 de dezembro de 2001. Muito tempo depois, muita gente ainda envia mensagem falando sobre deputados que estariam tentando aprovar o tal Projeto de Lei.

Telefone celular-revólver ou celular-pistola (cell phone gun). Mensagem assinada por um incerto Capitão Francisco fala de um telefone celular que dá tiros. O noticiário internacional confirma a existência da arma. Aqui no Brasil, se desconhecem o signatário da mensagem bem como as apreensões mencionadas.


segunda-feira, 21 de setembro de 2009

O fundamentalismo ocidental anti-inteligente


Acho que por aqui mesmo, nesse blog, se não me engano em um texto sobre a relação entre ciência e religião, disse que um dos "inimigos" mais difíceis da ciência não é a religião (ou religiões), mas o senso comum. Na verdade, chamo senso comum o que quero chamar de ignorância, falta de inteligência, no mínimo de alguma curiosidade para saber a verdade. Não precisa muito, só um pouquinho de desconfiança. E se há um lugar onde o senso comum é vencedor é a internet. Fenômenos bizarros e curiosos brotam dela. Mas, sejamos justos, o problema mesmo não está na internet em si, mas principalmente nos missivistas de copião. Copião, para quem não sabe, é a cópia fiel de alguma coisa. Ou seja, um sem número de pessoas se tornaram, com a facilidade que a internet nos proporciona na troca de mensagens, apenas repetidoras, copiadoras, transmissoras, "papagaios" de textos dos outros. Não questionam, não verificam, não perguntam, não sabem; somente deslumbram. Ingenuamente acreditam em tudo e ajudam a fabricar um enorme número de "spams". Chegam a levantar bandeiras e abaixo assinados que são completamente inúteis, senão idiotas. Como todo meio de comunicação, a internet também é idiotizada e idiotizante.


Desde que conheci a internet e passei a usá-la, já perdi a conta de quantos textos vindos por e.mail mexeram com a emoção, com o nosso senso de dignidade, com a nossa capacidade de reagir (de preferência copiando e reenviando), com a raiva de outros povos e culturas "maléficas" etc. Poucos textos, porém, incitaram a inteligência. Imagino que inteligência, nesses casos, seja encarado como uma espécie de heresia, um atentado contra a opinião da maioria. Tenho até medo de responder tais emails, porque fantasio que um dia vão me lançar numa fogueira. Já chegaram até a me chamar de chato, racionalista, incrédulo, "metodista". Tinha que aceitar e pronto. Afinal a mensagem é tão chorosa, tão motivadora, tão inspiradora... É verdade, é tudo isso, mas também é tão piegas, tão ingênua, tão falaciosa... Pelo tempo que venho recebendo essas narrativas pegajosas, percebi como a pulha é proporcional a sua emotividade; quanto mais emotiva, mais patética.


Só para você ter uma ideia de como somos "idiotiolatras", dê uma olhada no site www.quatrocantos.com.br. Nele há uma lista de A a Z de pulhas virtuais acumuladas por anos a fio.


Fenômeno típico dessa zoologia bestial (que me desculpem os animais), é a calúnia, a difamação de outras culturas e povos. Não sei como, mas alguns parecem ter desenvolvido uma forma de paranóia virtual, uma psicose caracterizada por delírios crônicos e desejo de matar o outro. A alteridade, para esses, acarreta perigo, grande risco. Daí que inventam a desgraça dos outros para justificar a sua própria existência e, claro, a sua superioridade.


Tal sentimento arrogante não é novo nesse nosso mundinho moderno do Ocidente. Faz pelo menos 600 anos que os piedosos católicos romanos, com e benção do Papa e dos reis, vieram para o "Novo Mundo" (novo para eles) e julgaram as culturas incaicas e maias porque sacrificavam seus filhos aos deuses. Enquanto isso, na Europa "civilizada" morriam mais hereges na fogueira e em sessões de tortura do que em qualquer sociedade nativa da América. E os protestantes crentóides não ficaram para trás. Para esses não faz nem 150 anos e fatiaram a Ásia e a África em colônias a serem "evangelizadas". Evangelizaram com a "maldita nova" que interpretava outras culturas como inferiores e atrasadas e, em nome disso, e de Deus, exploraram, mataram, oficializaram guerras étnicas e tramaram um novo modelo de "escravismo livre". Hoje, alguns desses crentóides continuam levantando a tese que afirma que toda nação de colonização protestante é superior, é avançada porque é crente. Não é não. Bem poucas são. E poderiam ser mais se não tivessem suas riquezas materiais e humanas exploradas e surrupiadas. O mais hilário: nem uma nem outra, nem colônias nem europeus são atualmente "crentes".


Um exemplo da bestialidade que acabei de citar, recebi faz alguns dias. É uma peça bem específica, que gosto de chamar de "fundamentalismo ocidental anti-inteligente". Fundamentalismo ocidental porque se engana quem acha que esse tipo de coisa só encontramos no oriente muçulmano. Lá, pelo menos, eles tem legitimação na religião, aqui, pelo contrário, e para a nossa maldição, o nosso fundamentalismo é, muitas vezes, legitimado pelos direitos humanos. É eu sei, muitos estão me xingando agora. Mas não posso deixar de observar que muito do que chamamos de direitos humanos são direitos ocidentais e fundamentalistas. Direitos que medem os direitos dos outros pelos nossos e, tanto como lá, não dialogam, não discutem, não permitem o conflito interno (Big Brother?). E é anti-inteligente porque aceitamos os nossos paradigmas como se eles fossem universais, como se tivessem caído do céu prontos e acabados. Anti-inteligente porque também produz idiotas e medíocres que tem preguiça de pensar. São dois atentados: contra o outro e contra a inteligência.


Nos gabamos muito de nossa civilidade, de nossa cultura superior e letrada, mas nos esquecemos que também produzimos morte, injustiça, fome, violência etc. Não são as mulheres, as crianças, as famílias ou as sociedades dos outros que estão em perigo ou que nos provocam o perigo, são as nossas; o inimigo não mora ao lado, mora dentro.


Portanto, em relação à mensagem que "colei" na íntegra abaixo, digo:


1. É claro que a imprensa séria não noticiou essa gravidade, simplesmente porque é falsa e caluniadora.
2. Vocês podem encontrar a fonte original em http://www.paltelegraph.com/palestine/gaza-strip/1319-hamas-holds-collective-marriage-ceremony. É um jornal da Palestina com relações exteriores e com grupos de Direitos Humanos. Se não conseguirem ler em inglês, existem algumas bandeiras no canto direito para o google fazer a tradução em espanhol ou italiano.
3. Resumindo a notícia, se trata de um casamento em massa feito entre as viúvas e os cunhados dos falecidos no combate contra Israel. As meninas que aparecem na foto são apenas as “daminhas”, a maioria filhas das viúvas. Como em Israel no Antigo Testamento, na Palestina também existe a tradição do Levirato, ou seja, o casamento do irmão do falecido com a cunhada.
4. Um minuto de pesquisa no google e é possível saber a verdade. Porém, a nossa preguiça e o deslumbramento com notícias trágicas nos impedem de saber tal verdade.
5. Conforme disse acima a respeito da paranóia, o paranóide Phd Paul L. Williams, criou um blog que falta pouco para se parecer com aqueles sites que fazem apologia ao neonazismo. O seu blog thelastcrusade.org é uma peça típica do ódio destilado contra a tradição islâmica. Aliás, não por acaso o seu blog se chama "The Last Crusade" (A Última Cruzada), como se estivesse em plena Idade Média. Desconfio que seja mesmo; é uma máquina do tempo, um raro exemplo de anacronismo.
5. Já o De Olho Na Mídia é ainda mais engraçado. Eles dizem que são contra a mídia tendenciosa. Pois entre lá e veja você mesmo. Sem nenhum critério, põe tudo que pode ter algum sensacionalismo estrangeiro.
6. "Coitado" do Aiatolá Khomeini, deve ter umas "costas" bem largas para ganhar a culpa por ser "talvez o mais conhecido de todos os clérigos muçulmanos deste século", como diz o texto. Nem vivo está para se defenser. Pior: quem lê acha que o Aiatolá representa todos os muçulmanos. O Papa representa todos os cristãos? Falando em Papa, pastores e cia limitada, a pedofilia vai solta por aqui também.
7. A única fonte séria que você pode confiar na mensagem é o Centro Internacional Para Pesquisas Sobre Mulheres. De fato, muitas são as informações sobre a violência contra as mulheres em vários países muçulmanos. Mas cuidado, dizer desse modo, dá-se a impressão que só lá acontece isso. O site não confirma tal falácia.

Abaixo o texto da mensagem:


A Pedofilia do Hamas
Um evento de gala ocorreu em Gaza. O Hamas foi o patrocinador de um casamento em massa para 450 casais. A maioria dos noivos estava na casa dos 25 aos 30 anos; a maioria das noivas tinham menos de dez anos.
Enquanto a imprensa exalta os "lutadores da liberdade do Hamas", os "rebeldes", ou então o PT e demais organizações de esquerda no Brasil dão apoio integral ao mesmo (conforme nota do secretário geral do partido, Valter Pomar durante a época do conflito), o mundo desconhece uma das histórias mais nojentas de abuso infantil, torturas e sodomização do mundo vinda do fundo dos esgotos de Gaza: os casamentos pedófilos do Hamas que envolvem até crianças de 4 anos. Tudo com a devida autorização da lei do islamismo radical.
A denúncia é do Phd Paul L. Williams e está publicada no blog thelastcrusade.org e é traduzida com exclusividade no Brasil pelo De Olho Na Mídia (ninguém mais na imprensa nacional pareceu se interessar pelo assunto).
Um evento de gala ocorreu em Gaza. O Hamas foi o patrocinador de um casamento em massa para 450 casais. A maioria dos noivos estava na casa dos 25 aos 30 anos; a maioria das noivas tinham menos de dez anos.
Grandes dignatários muçulmanos, incluindo Mahmud Zahar, um líder do Hamas foram pessoalmente cumprimentar os casais que fizeram parte desta cerimônia tão cuidadosamente planejada.
"Nós estamos felizes em dizer a América que vocês não podem nos negar alegria e felicidade", Zahar falou aos noivos, todos eles vestidos em ternos pretos idênticos e pertencentes ao vizinho campo de refugiados de Jabalia.
Cada noivo recebeu 500 dólares de presente do Hamas
As garotas na pré-puberdade, que estavam vestidas de branco e adornadas com maquiagem excessiva, receberam bouquets de noiva.
"Nós estamos oferecendo este casamento como um presente para o nosso povo que segue firme diante do cerco e da guerra", discursou o homem forte do Hamas no local, Ibrahim Salaf.
O Centro Internacional Para Pesquisas Sobre Mulheres estima agora que existam 51 milhões de noivas infantis vivendo no planeta Terra e quase todas em países muçulmanos.
Quase 30% destas pequenas noivas apanham regularmente e são molestadas por seus maridos no Egito; mais de 26% sofrem abuso similar na Jordânia.
Todo ano, três milhões de garotas muçulmanas são submetidas a mutilações genitais, de acordo com a UNICEF. A prática ainda não foi proibida em muitos lugares da América.
A prática da pedofilia teria base e apoio do islã, pelo menos a sua leitura mais extrema e radical. O livro Sahih Bukhari (além do Corão, outra das fontes de grupos como o Hamas) em seu quinto capítulo traz que Aisha, uma das esposas de Maomé teria seis anos quando se casou com ele e as primeiras relações íntimas aos nove. O período de espera não teria sido por conta da pouca idade da menina, mas de uma doença que ela tinha na época. Em compensação, Maomé teria sido generoso com a menina: permitiu que ela levasse todos os seus brinquedos e bonecas para sua tenda.
Mais ainda: talvez o mais conhecido de todos os clérigos muçulmanos deste século, o Aiatóla Komeini, defendeu em discursos horripilantes a prática da pedofilia:
Um homem pode obter prazer sexual de uma criança tão jovem quanto um bebê. Entretanto, ele não pode penetrar; sodomizar a criança não tem problema. Se um homem penetrar e machucar a criança, então ele será responsável pelo seu sustento o resto da vida. A garota entretanto, não fica sendo contada entre suas quatro esposas permanentes. O homem não poderá também se casar com a irmã da garota... É melhor para uma garota casar neste período, quando ela vai começar a menstruar, para que isso ocorra na casa do seu marido e não na casa do seu pai. Todo pai que casar sua filha tão jovem terá assegurado um lugar permanente no céu.
Para finalizar, o vídeo abaixo traz informações sobre espancamentos realizados contra meninos no mundo muçulmano para "estudarem melhor" - que incluem açoitamentos - escravidão de menores e a venda de meninas de 8 anos ou até menos como noivas no Sudão e em outras países da região. Tudo, com carimbo do islã radical:
Esta é a história que a mídia não conta, que o mundo se cala e não quer ver, ou que não querem que você saiba. Mas agora você está ciente, não tem mais jeito! Vai ficar calado? Cobre os veículos de mídia, aja! Se você não fizer nada, ninguém poderá salvar estas vítimas inocentes do inferno do Hamas e similares.

Publicado por De Olho na Mídia com o título A História Oculta do Mundo: a pedofilia do Hamas